Core Web Vitals: O Que São E Como Impactam O Seu Negócio?

webvitals

Não é novidade que o Google preza pela boa experiência do usuário: temos conceitos como ranqueamento Google e SEO que demonstram a importância que a marca dá para sites otimizados.

Além deles, os Core Web Vitals, que já eram muito importantes mesmo antes de se tornarem um trending topic, farão parte do grupo de métricas e estratégias necessárias para que seu site apareça na primeira página de resultados do Google.

Por isso, vamos aprender o que são os Core Web Vitals e como utilizá-los em prol do seu negócio.

O que são Core Web Vital?

Antes mesmo de se tornarem um assunto extremamente popular, os Core Web Vitals já possuíam importância vital. Porém, este era um termo apenas popular entre desenvolvedores de site devido a complexidade do assunto.

No entanto, o Google anunciou em 2020 que passaria a considerar os Core Web Vitals como critério de ranqueamento a partir de maio de 2021. A aplicação deu uma atrasadinha, mas desde a atualização de junho de 2021 elas estão sendo implementadas.

“Mas o que elas são de fato?”

Primeiro, vamos abordar o termo “web vitals”.

Web vitals são funções que seu site precisa desempenhar para funcionar bem: tempo de carregamento de página, tempo de carregamento do conteúdo, estabilidade do carregamento da estrutura da página, tempo em que seu site dá a primeira resposta após o clique de acesso, etc.

Detalhes funcionais, cruciais para uma boa experiência.

Dentre os Web Vitals, existem aqueles que são considerados pelos maiores desenvolvedores e programadores do mundo como os mais importantes. Estes são chamados de Core Web Vitals.

Os Core Web Vitals são:

  • CLS (Cumulative Layout Shift)
  • FID (First Input Delay)
  • LCP (Largest Contentful Paint)

Parece grego, mas é só inglês (:p).

Brincadeiras à parte, aqui estão algumas traduções livres para você entender melhor o conceito. Os termos são bastante utilizados em inglês mesmo, então terá que se habituar pelo menos com a sigla.

CLS = Mudanças De Layout Acumulativas (Enquanto uma página carrega, ela sofre alterações conforme o conteúdo é carregado. Nos primeiros instantes, você tem uma estrutura. Daqui a pouco várias imagens carregam e o tamanho da página muda também, e outras mudanças vão se desencadeando até que o carregamento da página esteja completo.)

FID = Tempo de Atraso Na Resposta (O tempo que seu site leva para interagir com a ação do usuário, como quando ele clica para acessar uma página do seu site ou interage com a call-to-action de um post de seu blog e é redirecionado a uma nova página.)

LCP = Quadro De Conteúdo De Maior Tamanho (O tempo que suas páginas levam para carregar a estrutura máxima do site. Mesmo que imagens, botões e outros elementos não estejam carregados, quando eles carregarem a página não terá alterações se LCP estiver totalmente carregado.)

Agora você deve estar entendendo porque este termo era popular somente entre os desenvolvedores, não é!?

Dor de cabeça à parte, você, como dono de um site – e não um desenvolvedor – não precisará dominar exatamente o que eles são exatamente; apenas seus nomes e como medi-los.

Como Medir Os Core Web Vitals?

Com tantas mudanças e novidades que surgem na área da tecnologia, é difícil estar por dentro de tudo. Se você é um empreendedor aventureiro, recomendo que passe a utilizar o Google Chrome Canary. É neste navegador que os testes de novas tecnologias e recursos do Google são realizados.

OBS: é recomendado algum conhecimento em desenvolvimento e programação para utilizá-lo.

Para o cidadão comum – como eu – as três melhores maneiras de medir os Core Web Vitals são:

A extensão Google UX Report

PageSpeed Insights

Relatório de Métricas Web do Google

Para manter seu site estável e oferecer uma boa experiência, você precisará manter as seguintes estatísticas para que suas páginas tenham bons resultados perante o Google:

  • CLS: Pontuação de 0,1 ou menor.
  • FID: Atraso de 100 ms ou menor.
  • LCP: Intervalo de 2,5 segundos ou menor.

Qualquer outro resultado exigirá melhorias para que o Google considere suas páginas as melhores possíveis do seu ramo.

Como Melhorar Os Core Web Vitals?

Infelizmente não tem outro jeito: você precisará do acompanhamento de um desenvolvedor qualificado para lhe ajudar a obter os melhores resultados possíveis.

No entanto, existem sim algumas ações que você, como dono do site, poderá fazer para obter melhores resultados:

  • Otimizar as imagens do seu site com tamanho adequado para o post;
  • Fazer a limpa em imagens repetidas armazenadas em seu site;
  • Deletar esboços de páginas que não terão utilidade na prática;
  • Ter uma equipe com uma excelente estrutura fazendo a hospedagem do seu site;
  • Expandir a banda larga do plano de hospedagem;
  • Garantir que seus templates sejam mobile-friendly.

Cada pequena ação envolvendo o carregamento de uma página do seu site poderá ser medido por alguma métrica de um web vital. Portanto,  mesmo que suas ações não impactem os core web vitals diretamente, cada detalhe que puder alterar para otimizar seu site melhorará os resultados gerais e a experiência do usuário. Consequentemente, terá impacto também no ranqueamento Google.

Com os Core Web Vitals fazendo parte dos critérios de ranqueamento, estas métricas passam a ser tão importantes quanto o SEO. Se você quiser oferecer a melhor experiência para seu cliente e ser reconhecido pelo Google por fazer isso, deverá investir em otimizar as métricas do seu site.

Principalmente no mercado brasileiro, onde muitas vezes as tecnologias demoram mais para atingir a grande massa, estar a frente em conhecimento e as regras do mercado digital serão vantagens gigantescas para se destacar. Você estará investindo em um diferencial do seu site e ainda deixará boa parte da competição para trás ao otimizar os Core Web Vitals e a experiência do usuário do seu site.